2007-01-31

A questão do Aborto pelo Gato Fedorento


É difícil fazer melhor/pior comédia com um assunto destes. E estes tipos conseguem-no. É preciso poder de encaixe...

TSF - Palavra de Honra - Marques Mendes

Excertos da entrevista realizada ao líder do PSD, Marques Mendes, no programa TSF-Palavra de Honra, do último Sábado:

Uns [Luís Filipe Menezes], em vez de estarem solidários com o partido, fazem o jogo da oposição. Estamos perante uma investigação [CML].

Uma pessoa[Gabriela Seara] que está a ser investigada por questões relacionadas com o exercício das suas funções deve suspender o seu mandato.

Os líderes [Carmona Rodrigues] existem para vencer as adversidades... Os lisboetas querem que se resolvam os problemas.

Tomei as decisões que tomei por razões políticas e não me arrependo. Tive interferência quando foi em Oeiras e em Gondomar, porque tinha que o ser... Eu sabia que provavelmente seria muito difícil ganhar algumas dessas câmaras. Oeiras e Gondomar foram os casos mais emblemáticos.

A corrupção é um veneno, mina a economia, fragiliza a democracia, não gera um ambiente de confiança... É importante que uma matéria abordada pelo Presidente da República tenha seguimento... A corrupção deve ser assumida na vertente da prevenção e da repressão.

Acha que foi fácil, sabendo que provavelmente numa disputa eleitoral iria perder duas câmaras, em Oeiras e Gondomar? Não vi ninguém a aplaudir mas também não vi ninguém a discordar... A corrupção acaba por prejudicar todos. É uma prioridade nacional.

Passaram dois anos e as pessoas querem resultados... Não há resultados... Vamos ser ultrapassados por Estónia e Malta... É a primeira vez em 30 anos que Portugal não consegue acompanhar o crescimento da Europa.

Não se pode encerrar centros de saúde a eito. Ao encerrar 5 centros de saúde em Aveiro, os serviços centrais vão rebentar pelas costuras.

Não devíamos ter aumentado impostos... Não devíamos estar a gastar em projectos da OTA e TGV, porque não trazem competitividade à economia nacional.

[A respeito do trabalho que o PSD têm feito na oposição] Qual foi a oposição que fez um pacto com um governo na maioria?

No nosso ponto de vista, é um problema de consciência [aborto]... Os partidos não são donos da consciência de cada um... Estou contra a penalização mas acima de tudo estou contra a liberalização... É uma grande amiga minha[Paula Teixeira da Cruz], respeito-a, mas tenho uma opinião diferente.

Eu ganhei um congresso em Pombal, a seguir introduzi os princípios de eleição directa... Eu cá estou... Todos os líderes são de transição. A instituição fica, os líderes vão passando.

É a 1º vez que o PSD é oposição com um governo de maioria... É a 1º vez que não há nenhuma eleição autárquica, europeia, pelo meio... Esta é a oportunidade para ter um pensamento estruturado, nos princípios e nas propostas e acções concretas.

[Sobre os mimos presenteados por Morais Sarmento, que o acusa de não ter capacidades de liderança] Não tenho tempo para essas conversas, não dou para esses peditórios e para outros do género, tenho mais que fazer.

O país na altura própria vai voltar a precisar do PSD. O PSD têm que estar preparado.

Ao fim de 2 anos de governo, o que mais me choca é o brutal aumento das desigualdades sociais... Como social-democrata valorizo o crescimento económico mas ainda mais a justiça social.

[O Grupo Parlamentar] não foi escolhido por mim... Têm sido leal, dedicado, com competência... Eu respeito a decisão dos deputados.

2007-01-30

Qual o melhor Português de sempre?

Convida-se os estimados leitores deste blog a darem a sua opinião, escolhendo de entre os 10 melhores portugueses de sempre qual deles deverá ter essa honra. Para tal, aceda a este site, leia as instruções e vote. Decida. Eu já decidi, e o meu voto foi para "Aristides de Sousa Mendes".

Há rumores que colocam Salazar em 1º lugar, seguido de Álvaro Cunhal. Acho mal que estas dois personagens ganhem, porque não lhes reconheço brio suficiente para serem considerados o "Melhor Português de Sempre".


O sistema informático de votação, certificado pela PriceWaterhouseCoopers, têm vindo a sofrer algumas alterações para que o votante possa alterar o seu voto, se por alguma maneira se enganou - ou foi enganado. Cada votação têm o custo de 0.76€ . A votação está a decorrer até Março, antes do Debate final.

Não participo em chacinas, por isso desobedeci a Salazar!
Aristides de Sousa Mendes

2007-01-29

Suiços Malucos!

Praticantes de Ski Gliding descem a montanha Eiger, Suiça

Hmmm... acham que o Sócrates arranja coragem para fazer o mesmo?

2007-01-28

MACE lá fora

Os Meios Aéreos Civis de Emergência, conhecidos na gíria internacional por MEDEVAC, têm décadas de actividade e têm sido submetidos a intensa regulação e pressão pública com vista a melhorar os serviços de socorro prestados à população, isto com muito mais intensidade e interesse lá fora do que cá dentro.

A um nível global, há um disseminar de competências por vários tipos de estruturas, consoante estejam mais bem preparados para dar conta da ocorrência. Tal como em Portugal. Mas não tão igual assim em termos de resultados - o caso abordado, a fundação REGA na Suiça, é o paradigma ideal.

Missão

A missão da fundação suiça REGA não é ganhar dinheiro, mas merecer o respeito e a admiração dos cidadãos suiços.

Objectivos

Prestação de serviços aeromédicos pela fundação REGA, associada à Cruz Vermelha Suiça e financiada por dinheiros públicos, com responsabilidade atribuída pelo governo suiço para todo o seu território.

Estratégia

Com um regulamentação aplicada e uma estratégia ligada às questões mais operacionais, só possível com uma gestão mais horizontal e com menos níveis intermédios, a coordenação e a prestação destes serviços têm alcançado resultados satisfatórios, não só por causa da boa governação, mas porque a sociedade civil também é chamada a intervir.

Financiamento

Cerca de 2 milhões de uma população de 7 milhões de suiços financiam esta fundação, associando-se voluntariamente para esse efeito, o que contrasta e bastante com a nossa realidade nacional, em que essa responsabilidade é atribuída ao Estado.

Caracterização da Frota

Os helicópteros MEDEVAC operam com equipas de 4 pessoas - piloto, paramédico, médico e mecânico, são capazes de descolar em 5 minutos para responder a qualquer emergência, 24 horas por dia. Têm 10 bases espalhadas pelo território suiço, com responsabilidade em socorro aeromédico e transferência de doentes entre unidades hospitalares. A fundação REGA também realiza parcerias e contratos com outras companhias aéreas em outras partes do país para prestação complementar de serviços MEDEVAC.

Operam 5 EC145 e 6 A109K2, totalmente operacionais 24 horas por dia. A estes, acrescem-se outros de outras companhias, totalizando 30 com capacidade MEDEVAC. Também têm 3 jactos CL604, utilizados como ambulâncias aéreas em casos de transporte de cidadãos suiços em vôos internacionais.

Eurocopter 145

EC-145

EC-145 em operação nocturna

Equipamento Médico no EC-145

Agusta 109

A109K2

A109K2 preparado para operações a alta altitude

Equipamento Médico no A109K2

Challenger CL-604

CL-604

Chegada de mais um vôo internacional

Cabine Interior do CL-604

Caracterização dos Serviços

A rede de serviços aeromédicos está desenhada para que cada helicóptero consiga atingir um cenário de emergência dentro de 15 minutos após ter recebido o alarme, à excepção do Cantão de Valais. A central de operações, responsável por coordenar as operações aéreas de todo o serviço aeromédico do país, está localizada no aeroporto de Zurique. Esta sabe sempre aonde estão os helicópteros de serviço, através de posicionamento GPS activo.

A operação de evacuação acaba sempre por terminar em menos de 1 hora logo após ter sido recebido o alerta, a "hora dourada" considerada crítica para o tratamento de traumas. Na Suiça, todas as cidades têm um centro principal de trauma, equipados com pessoal e equipamentos para prestar os serviços médicos críticos.

Os meios aéreos são activados através do serviço de emergência médica suíça, contactáveis pelo "1414". Colocam o heli em fase de "warm-up", e a ordem para prosseguir vêm mais tarde pelos serviços centrais em Zurique. Ou seja, há uma cooperação entre os serviços distritais e posterior confirmação pelos serviços centrais.

Organização

A maior parte dos pilotos têm experiência militar e continuam a prestar serviço às forças armadas, 5 semanas em cada ano, para manterem a operacionalidade e eficácia. Todos são treinados extensivamente, 600 horas por ano, de modo a aumentar a segurança das operações MEDEVAC e evitar acidentes aéreos. Dentro da instituição existe uma atitude aberta e organizada para resolver o problema e não para punir o indivíduo.

Resultados

Em 2005 voaram cerca de 9000 missões com sucesso, numa média variável de 2 a 3 missões por dia em cada base.



Em Portugal...

O governo acha que os procedimentos dos serviços de emergência médica são correctos quando há tempos de duração que excedem as 4 horas.

A sociedade quer mais meios aéreos sem se preocupar em saber como eles vão ser financiados e se há centros de trauma para tal.

Os médicos estão contra a introdução de mecanismos de controle para aferir quem está de facto ao serviço.

Os enfermeiros acreditam que podem desempenhar o trabalho efectuado pelos bombeiros no socorro a toda a população.

Os bombeiros querem meios mas depois falham na coordenação dos meios aéreos e sua integração com restantes agentes da protecção civil.

Toda a gente culpa toda a gente e não se resolve o problema da Emergência Médica em Portugal.

2007-01-27

A Natureza do Poder

A distrital do Porto atravessou momentos turbulentos nos últimos anos, atingindo um nível de pacificação muito devido à saída de autarcas polémicos do centro de decisão política.

A distrital de Lisboa passou por uma remodelação que criou um novo centro
e que têm vindo a afirmar-se progressivamente, malgrado a divisão que se criou a nível interno por causa de anteriores Santanistas que viam o controle do partido fugir-lhes a sete pés.

Mas nem tudo corre de feição.
O que acaba por estar em causa no último escândalo de Lisboa é a continuação da substituição dos centros de decisão com as consequências que isso implica - a perda de influência dos actuais Menezistas e sua substituição por Mendistas, em preparação para as próximas legislativas, necessária para a estabilização e funcionamento normal do partido.

No Blog LisboaLisboa2:
"Quando tudo começou, com Santana Lopes, alguns dos que hoje tanto se escandalizam (ou os partidos que representam) têm de reconhecer que propiciaram com o seu voto favorável este negócio lesivo para Lisboa."

Este escândalo pode ser prejudicial para o partido, mas será ainda mais para os envolvidos nesta história, em que uns actualmente tomam a posição de "virgem ofendida" e criticam a CPNacional do PSD liderada por Marques Mendes pedindo a sua demissão, como é por exemplo a Helena Lopes da Costa.

A natureza do poder acaba por ser uma transferência gradual, discreta, com etapas claramente identificáveis a nível das lutas pelas distritais, e onde se forjam as futuras alianças para liderar o PSD. Que surpresas nos reservam estas duas distritais para as próximas legislativas?

Hawai




Parece-me que o Paraíso também têm lugar na Terra, ao ver estas fotos de konaboy.

"...never spoiling what he sees, he is natural in his depiction of hawaii, he pays homage to the nature that is around him and leaves with just a foot print, an artist if ever there were."

2007-01-26

Lamb - Gabriel

O Hospital Inteligente


Embora haja fortes assimetrias no panorama da saúde em Portugal, nem tudo vai mal. Também é importante - cada vez mais nos dias que correm - mostrar os bons exemplos.

É o caso da empresa portuguesa MNI - orgulhem-se disso, caramba! - que ganhou notoriedade internacional, dedicada à investigação e implementação de soluções digitais para ambientes clínicos.

Desenvolveu uma solução revolucionária, a ALERT PFH, que consiste em vários módulos integrados num hospital que permitem a digitalização de toda a informação clínica, aumentando a eficácia e a eficiência do mesmo. Os seus resultados são no mínimo espectaculares, recebendo a atenção de hospitais a nível internacional que estão interessados em adquirir a sua solução, além de prémios a nível nacional e europeu pelo carácter de inovação e aplicação de novas tecnologias na área da saúde.

Dois hospitais em Portugal implementam ou estão em vias de implementar esta solução, o Hospital Distrital de Chaves e o Hospital do Espírito Santo em Évora. Mais se seguirão, em breve.


Não é só na inovação tecnológica que se ganha. A criação de novos serviços, adaptados ao contexto regional melhora a utilidade da unidade hospitalar.

"...em Portugal é possível inovar em Saúde e conseguir excelentes resultados. Nos mais variados domínios: em Chaves, o hospital que elimina os papéis das suas consultas; no Algarve, o CHBA poupou 25 mil euros só num ano com uma gestão inteligente da sua farmácia; o Serviço de Cardiologia Pediátrica do Hospital Pediátrico de Coimbra (HPC) faz aparecer consultas de Cardiologia pediátrica e outra de diagnóstico pré-natal especializadas em outros hospitais da região, sem mais custos para o Estado. Vimos como o Hospital Curry Cabral (HCC) consegue incrementar a motivação do seu principal activo: os recursos humanos. E como o Hospital Distrital da Figueira da Foz proporciona a aquisição de competências familiares na preparação para o parto, demonstrando como o encerramento de um bloco de partos em nada deve afectar a continuidade deste tipo de serviços. Enfim, vimos como a Câmara Municipal do Fundão pôs a funcionar uma Unidade Móvel de Saúde para responder às necessidades de uma população com 25% de idosos, uma mostra bem viva de como as Autarquias podem ter um papel prepoderante em Saúde. Também a Santa Casa da Misericórdia de Campo Maior mostrou como fazer «Renascer a esperança» junto da população de terceira idade desse concelho, com respostas tecnológicas e um call-centre dedicado."


Lá fora também se têm investido em novas soluções que possibilitem o acompanhamento e monitorização do paciente, desde o momento que entra no hospital até quando recebe alta. É o caso do hospital interactivo em Copenhaga, Dinamarca.

Um sistema destes, "user-centric" e nascido de um projecto computacional evita grande parte das falhas médicas, por esquecimento do pessoal médico, má informação ou intervenções incorrectas. Também possibilita estender à escala nacional, a situação operacional das unidades hospitalares, os recursos utilizados e os disponíveis, de modo a facilitar a coordenação e prestação de serviços médicos.

Pessoalmente, fez-me impressão vir a saber que uma portuguesa, doente de cancro, teve que recorrer aos serviços médicos no país vizinho, em Navarra, porque não os conseguia encontrar cá em Portugal, tal era a falta de informação, não obstante este ser um problema cada vez mais grave, com o aumento de casos de cancro nos últimos 30 anos.

Depois de ter feito as operações, que a salvaram, ainda recebeu em casa a notificação para se dirigir a uma consulta de especialidade no hospital de oncologia em Lisboa, para ser diagnosticada e tratada, 1 ano depois.

Se houvesse uma saúde mais inteligente em Portugal, não teria acontecido.

III Debate Programa PSD - Hoje!

"O presidente do Partido Social Democrata, Dr. Luis Marques Mendes, preside ao III Debate Nacional, no âmbito do processo de actualização do Programa do PSD, que decorrerá sexta-feira, 26 de Janeiro 2007, pelas 21h30, em Braga (Hotel Turismo).

O encontro será subordinado ao tema «Inclusão Social, Portugal Solidário: Que Segurança Social?», e contará com as intervenções dos Dr. Luís Pais Antunes e Dr. José Silva Peneda.

A sessão terá transmissão via Internet, em www.programa.psd.pt."

in site do PSD.

Space Cowboys

Space Ship One

O projecto Space Ship Two (SS2) já está em marcha, patrocinado pela nova operadora turística espacial, Virgin Galactic, fruto de uma nova visão nascida num ambiente global de competição e que abriu uma nova era espacial.

Space Ship Two

See you up there...

O Cais já está em Linha

O Cais da Linha têm abordado a temática da "Corrupção".
Recomenda-se, pela actualidade que têm mostrado e pelo especial interesse que tive e ainda tenho (1 e 2) por este problema que mina a sociedade democrática:

  • PS incomodado com as propostas de João Cravinho.

  • Casos de corrupção abalam o executivo camarário de Lisboa.

  • Cavaco Silva dá a Benção ao projecto político pessoal de Cravinho.

  • Espera-se novos desenvolvimentos já para a semana.
    A TSF relata no seu site alguns aspectos importantes a ter em conta a nível político nesta situação.

    2007-01-22

    2007-01-21

    Isfahan - Irão


    Um estudante de medicina e apaixonado pela fotografia coloca cá para fora as imagens do quotidiano no seu país.


    A internet é controlada no Irão, e a liberdade de expressão está condicionada. Este Flicker, de nome "Reza", lança um apelo para que se acabe com a filtragem de conteúdos e imagens publicadas na Internet pelo governo iraniano.


    Às vezes, no meio dos nossos problemas esquecemo-nos que há quem esteja bem pior...

    Recomenda-se, vivamente, a passar os olhos pelo seu portfólio.

    A Hora Dourada

    Centro de Emergência Médica nos Estados Unidos

    Na emergência médica, constatou-se que as probabilidades de uma vítima poli-traumatizada sobreviver, são elevadas se for medicamente assistida nos primeiros 60 minutos.

    Embora esta análise esteja desprovida de qualquer
    certeza científica, notou-se um grande aumento da fatalidade nas pessoas a quem eram prestados cuidados médicos depois de 1 hora do sucedido. Pode-se explicar este facto pelo que, se o paciente for socorrido horas depois, os danos já estarão feitos, a eficácia da intervenção médica será muito mais reduzida e a hipótese de sobrevivência do traumatizado é diminuta.

    Um cirurgião norte-americano especializado em cuidados médicos de emergência, Dr. Donald Trunkey, estipulou que aplicar a regra da "Hora Dourada" implicava que se transportasse o paciente para o sítio certo (centro de trauma capaz) no tempo certo (o mais rápido possível).

    O centro de trauma é um local de resposta aos serviços de emergência médica, equipado para as fazer face. Para tal, deve ter pelo menos cirurgiões com especialidade neurocirúrgica, ortopédica, além dos especializados na área de cuidados críticos de saúde, queimados e cirurgia de emergência para operações como a angioplastia, na maior parte dos casos necessária para prestar assistência em casos como o - link não aconselhado a pessoas sensíveis - enfarte agudo do miocárdio, a principal causa de morte.

    Se houvesse um centro de trauma de nível 2, acredito que a vítima de Odemira que faleceu de ataque cardíaco passadas 4H30 após declarada a urgência, teria maiores hipóteses de sobrevivência. Mas devido à falta de pessoal especializado no Hospital de Beja, a sua transferência para Lisboa era necessária. A essa altura já era tarde demais.

    Mas não é só a existência de centros de traumas, a menos de uma hora, que possibilita a redução da mortalidade nestes casos. A existência de profissionais de assistência médica de primeira linha, na área de resposta às emergências médicas, bem formados e aptos a responder a estes casos, são muito importantes.

    Distribuídos pelo INEM, Bombeiros, Cruz Vermelha e outras empresas privadas, existem à volta de 45000 profissionais de saúde na área de emergência médica, totalmente dedicados ou em regime de voluntariado, e têm sido o garante do socorro de doentes e sinistrados. Será a estes que se deve investir na sua formação profissional, educação, treino e avaliação, de modo a estarem aptos para este serviço.

    INEM a prestar assistência a vítimas de um incêndio de um lar de idosos na Buraca

    Para além do investimento em "capital humano", também era bom acabar de vez com os corporativismos, personalizado neste Sindicatos dos Enfermeiros, que chamam a si e só a si a responsabilidade de prestação de cuidados médicos de emergência com vista a arranjar mais umas vagas "por decreto" para a sua classe profissional, descurando que eles próprios, os enfermeiros, não podem estar em todo o lado. Portugal não precisa deste tipo de comportamentos e atitudes. Já é hora de acabarem, não acham?

    2007-01-19

    A melhor coisa do mundo

    “Salvar a vida a alguém é como apaixonarmo-nos, é a melhor coisa deste mundo. Durante dias, talvez semanas depois, caminhamos pelas ruas tornando infinito tudo aquilo que se vê. O tempo torna-se lento e longo e perguntamos a nós próprios se não nos teremos tornado imortais, como se também tivéssemos salvo a nossa própria vida.”
    Joe Connelly (1998)

    2007-01-18

    MACE - Meios Aéreos Civis de Emergência

    EC-HFD - INEM - Tires

    Além dos 2 helis indicados anteriormente do SNBPC e INEM, existem mais 2 indicados aqui, totalizando 4 aeronaves.

    O INEM opera 2 aeronaves aeromédicas especiais para esse fim
    em Tires e em Matosinhos, da HeliSul, pertencentes à frota espanhola Helisureste que gere mais de 17 helis para todo o serviço de emergência médica no território de Espanha - foi através de uma das suas aeronaves a jacto que se procedeu à evacuação médica de uma jornalista portuguesa do médio-oriente.

    No ano de 2006 tiverem mais de 600 ocorrências, uma média de 2 activações de helis por dia, devido ao anterior crescimento da área sobre responsabilidade dos vários CODUs, totalizando perto de 6000 € o custo por cada activação. Não é caro, se compararmos com o preço médio de 9000 € por vôo em 2002 - perguntem lá quem é que os operava...

    Os bombeiros, ou melhor, o comando da Protecção Civil porque os GIPS do MAI/GNR também entram na história toda, além dos 2 helis em Loulé e Santa Comba Dão, estes também
    da HeliSul, irão receber mais 10 helis, como indicado num post anterior, para combate aos fogos através de um novo contrato com a HeliPortugal. Com a entrada da GNR, também será possível no futuro montar dispositivos aéreos de segurança policial além do combate aos incêndios. A atribuição do comando e controlo destas operações aéreas dará pano para mangas neste verão turbulento que se avizinha...

    O INEM não gere estes 2 helis presentemente afectos aos serviços de busca, resgate e salvamento da Protecção Civil. Embora estes estejam equipados com um kit mini-hospital, célula sanitária e portanto aptos ao transporte aéreo de doentes, e com tripulação médica on call, não estão inseridos no dispositivo normal de pronto-socorro do CODU da área respectiva. Talvez por falta de coordenação, ou sem capacidade de operar com tripulação médica em turnos H24 ou mesmo por não estar preparado para o transporte de doentes em estado grave como o era naquele caso.

    Desde 1997 que o INEM têm conduzido operações em ambulâncias aéreas, no qual o Hospital São Francisco Xavier foi o percursor. A vontade de criar um dispositivo separado e independente dos Bombeiros criou alguns amargos de boca. Toda a gente gosta de defender a sua "dama" cá em Portugal.

    O que se passou em Odemira foi normalíssimo cá dentro em Portugal, segundo o Ministro da Saúde. Por uma questão de procedimentos - a história repete-se como na Nazaré - e falta de equipamento especializado no heli estacionado em Loulé, recorreu-se ao de Tires. O tempo de activação e vôo seriam menores se se tivesse utilizado o heli de Loulé. Foi preterido por razões técnicas - não estava devidamente preparado para o transporte do acidentado grave. E também por não pertencer ao dispositivo controlado pelo INEM.

    Esta não foi uma situação única. Já em 2006, a utilização mais eficiente dos meios aéreos teria sido útil para salvar vidas, como está patente no comunicado da ANTEPH.

    Acho este tipo de situações incompreensível e só admissível para quem não sabe como um serviço MACE funciona lá fora, onde o tempo de activação é de 5 minutos após a comunicação da ocorrência à central, e o tempo de vôo está tabelado para um máximo de 15 minutos, com tempos de warm-up entre 5 e 10 minutos. Continua...


    CS-HFJ - SNBPC - Loulé

    Escândalo!

    CS-HEZ - SNBPC - Santa Comba Dão

    A emergência médica aérea em Portugal é um escândalo! Depois de uma investigação a esta temática, fiquei enojado! Temos falta de meios aéreos coordenados e recursos humanos, e ainda por cima os bombeiros e o INEM andam às turras uns com os outros. Portugal têm
    quintas espalhadas por tudo quanto é sítio! Continua...

    EC-JLH - INEM - Matosinhos

    Hoobastank - the Reason


    2007-01-16

    QREN - Portugal a andar mais depressa?

    Ciência e tecnologia também em destaque

    Outras prioridades do Executivo serão a ciência e a tecnologia - "não apenas no crescimento da produção científica, mas também da difusão da inovação pelo tecido empresarial e pelo conjunto das organizações", realçou Sócrates -, e o
    reforço da internacionalização e inovação das empresas.

    "Isto exige um sistema de incentivos mais selectivo e que deverá ter três linhas: a investigação e desenvolvimento dirigido a empresas com potencial; a inovação para investimento produtivo empresarial e
    a qualificação das pequenas e médias empresas", apontou.

    No domínio das modernização do Estado - a quinta prioridade referida pelo primeiro-ministro -, haverá uma dotação orçamental de 635 milhões de euros para simplificação,
    reengenharia e desmaterialização de processos na administração central, regional e local.

    Esta verba irá também ser aplicada na promoção da administração em rede, desenvolvimento do Governo electrónico e qualificação do atendimento pelos serviços públicos no seu interface com as empresas e cidadãos. "Esta é a primeira vez que se assume a
    redução dos custos de contexto como uma prioridade num programa operacional de competitividade", defendeu o primeiro-ministro.

    Outras prioridades avançadas pelo QREN serão o reforço da inserção no espaço europeu e global - com os investimentos na
    alta velocidade ferroviária, em plataformas logísticas e no "novo aeroporto de Lisboa" -, a valorização do ambiente, através da preservação dos recursos naturais".

    "Melhorar a nossa capacidade de prevenção e resposta a diversos tipos de riscos naturais, como a erosão costeira, a
    desertificação, as cheias, os incêndios florestais ou os riscos para a saúde pública é uma prioridade essencial par a aumentar os níveis de segurança e confiança no país", advogou o primeiro-ministro.

    De acordo com Sócrates, serão prioritárias na aplicação dos fundos comunitários projectos para
    valorizar o território (casos dos projectos do Alqueva e da, auto-estrada para Bragança), a promoção da igualdade do género, e a afirmação da cidadania e a coesão social, tendo em vista o combate à pobreza, a integração de deficientes e a inclusão de imigrantes. [in Público]


    O que é que isto quer tudo dizer? A orientação política inicial mantém-se, o de imprimir o tal "choque tecnológico", mas agora bastante desmistificado. Passado quase dois anos, o executivo sabe que não pode estar parado à espera que alguém apareça e lhes dê boleia, as coisas não funcionam assim.

    Crescer significa explorar as oportunidades lá fora. Portugal é um país pequeno e não têm mercado interno para explorar as novas oportunidades de mercado. Levar a que cada vez mais empresas explorem o mercado internacional, aumentando as exportações e contribuindo assim para a eliminação do débito comercial na balança "import-export", é uma das soluções que põe Portugal a andar mais depressa.

    Querer que as nossas PME sejam mais qualificadas vai de encontro à estratégia do PSD. Só que não chega. Não as colocar em pé de igualdade com as suas congéneres europeias, em termos de taxas de incentivo e fiscalidade, é manter uma barreira difícil de transpor.

    No contexto actual, este governo acredita que é o momento de melhorar o seu desempenho, a sua produtividade, a sua eficiência. Por isso, aposta na reorganização de processos e redução de custos. É a efectivação do PRACE, nada de novo e já era esperado.

    Concordo com as alterações que se querem realizar no panorama de transportes a nível nacional. Os mais atentos e com longa memória saberiam que estes planos são os mesmos que o anterior governo tinha na calha para aprovar em 2006. Eu iria mais longe, privatizando a CP, Carris e Metro de Lisboa, acabando com as más práticas de gestão implantadas e com raízes profundas neste sector. Quanto ao facto de se pretender usar o Fundo de Coesão, não dou razão à crítica do PSD, porque, como está patente na declaração de objectivos do mesmo:

    "O Fundo apoia projectos com impacto significativo na área do Ambiente e dos Transportes - Redes Transeuropeias, com taxas de comparticipação que podem atingir 85% do investimento elegível... Este período foi precedido de uma redefinição da estratégia nacional de aplicação do Fundo que passou a ser integrada nos Programas Operacionais de Acessibilidades e Transportes e do Ambiente do QCA [Quadro Comunitário de Apoio]..."


    Um dos maiores riscos que Portugal atravessa é a desertificação do seu interior, ao lado. É imperioso fixar as populações, desenvolver o turismo e criar melhores condições de vida. Senão, teremos situações como a de Odemira: "A gente vêm viver para aqui [Odemira], e acaba por também morrer aqui.". Eliminar estes riscos sociais implica desenvolver a região e aumentar a protecção social. E isso implica acabar com a centralização excessiva e racionalização dos meios e recursos humanos. Criar não só comissões regionais de combate à desertificação com incentivos à economia local, mas também acelerar a conclusão de obras e projectos empresariais como o novo aeroporto de Beja e o IP8 entre Sines, Beja e Serpa até Vila Verde de Ficalho em Espanha.

    Avaliando muito por alto, esta é uma política bem orientada para até 2013. Mas devia ter sido já entregue em Julho do ano passado. Desta maneira, "Portugal não vai ter fundos financeiros da União Europeia em 2007 mas tão só em 2008" [in PSD].

    Dredg - Ode to the Sun


    Final Fantasy - The Spirits Within - 2001

    2007-01-15

    Flotille 17F no Afeganistão


    Imagens de rara beleza de um país devastado pela guerra captadas por video-câmaras instaladas no Super Etendard Modernisé durante a operação Héracles/NATO a bordo do porta-aviões Charles de Gaulle.

    INAC

    INAC, Portela, Lisboa.

    O Instituto Nacional de Aviação Civil têm um novo edifício para o pessoal técnico - Medicina Aeronáutica, Operações, Licenciamento, Infra-estruturas, etc. Fui lá fazer uma visitinha há bem pouco tempo. É um edifício moderno, bem construído, eficiente a nível energético, "informatizado", boas acessibilidades, etc. Está melhor colocado do que o edifício antigo da ex-DGAC, onde ainda se encontra o conselho de administração. Nada como uma boa distância entre a cúpula e os trabalhadores.

    Contudo, nem tudo são boas notícias. Devido à sangria que se assiste generalizadamente na função pública, parte dos quadros técnicos não têm sido preenchidos. Isso explica a falta gritante de fiscalização da Aviação Civil e a transposição para o quadro jurídico em Portugal de questões relacionadas com a certificação dos nossos Aeroportos e Aeródromos civis.

    Mais uma sala vazia...

    Se não se inverter esta tendência, a diminuição de quadros técnicos na função pública e a sua substituição por quadros meramente administrativos, contratados por tarefa ou à avença, dentro de pouco tempo perderemos o know-how adquirido nas últimas décadas.

    No fim de contas, isto acaba por ser um perfeito exemplo da cada vez maior demissão do Estado do seu papel regulador na sociedade portuguesa.

    A emergência médica em Portugal


    Fruto de mais um acidente na estrada, no concelho de Odemira, veio mais uma vez a público as deficiências estruturais dos nossos serviços de emergência médica. Apresento de seguida as medidas propostas pelas associações técnicas desta especialidade, tornadas públicas, à margem do poder político vigente, num comunidado conjunto.

    10 medidas para optimizar a capacidade de Emergência Médica em Portugal

    1) Criação de uma Lei que consagre o direito do Cidadão a acesso a Suporte Avançado de Vida em tempo útil (10-15 minutos).
    2) Criação da Especialidade de Medicina de Emergência, tanto na Carreira Médica como na Enfermagem.
    3) Integração da Emergência Médica nos Curricula da Formação Médica como valência própria facilitando assim o recrutamento de Médicos.
    4) Criação de um grupo de trabalho para definição de uma carreira técnico-profissional de Técnico / Bombeiro Especialista em Socorro Pré-Hospitalar, integrando I.N.E.M., S.N.B.P.C., Liga dos Bombeiros, Ordem dos Médicos e de Enfermagem, Associação Portuguesa de Medicina de Emergência (APME), Associação dos Enfermeiros de Emergência Pré-Hospitalar (APEEPH) e Associação Nacional de Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (ANTEPH).
    5) Instituição de cursos de Emergência Médica multidisciplinares em estabelecimentos de ensino credenciados para optimizar a interligação entre os vários intervenientes.
    6) Definição legal da V.M.E.R. e da composição da equipa e resolução das inoperacionalidades existentes, como proposto em documento da Associação Portuguesa de Medicina de Emergência (APME) entregue ao Ministério da Saúde.
    7) Complementação das Ambulâncias I.N.E.M. com um terceiro elemento, (cumprindo a Lei) que poderá ser recrutado no âmbito dos cursos de TAS (formando / voluntário) sem custos adicionais.
    8) Fiscalização determinada e punição severa das ilegalidades supracitadas.
    9) Reestruturação do Socorro Aeromédico e colocação de Equipa Médica INEM nos Helicópteros do S.N.B.P.C. / Loulé e Santa Comba Dão 24/24 h.
    10) Consagração legal, tal como proposto pela ordem dos Médicos, da Desfibrilação Automática por pessoal não-médico.


    Depois de ter ouvido o programa FórumTSF de esta manhã com a participação de deputados de todas as forças políticas (Zita Seabra, etc), ficou patente que Portugal é ainda um país em vias de desenvolvimento. Não temos riqueza - meios e pessoas - para manter um sistema de emergência médica com qualidade.

    Faltam médicos, viaturas, tripulações de ambulância, sistema de comunicações de emergência, isto é, toda uma infra-estrutura que assegure o pronto-socorro rápido em todo o país. É certo que esse problema não se coloca em Lisboa ou Porto, ou em capitais de distrito. Devido à racionalização dos meios, perdeu-se a eficácia no pronto-socorro em regiões mais isoladas do país, acabando esta medida política por custar vidas.


    Em breve apresentarei o exemplo da REGA de como funciona o sistema de socorro nacional na Suiça.

    2007-01-12

    Puddle of Mud - Blurry

    Blurry - SuperMan

    Destaque Santarém

    - O artigo que se segue é inteiramente da minha responsabilidade -

    O PSD é um partido tão multi-facetado que têm um modo de funcionamento e colaboração com a sociedade totalmente diferente, de distrito para distrito.

    Em cada distrito, há múltiplas Secções que reflectem a orgânica do partido no concelho. Em Oeiras, por exemplo, existem duas, a de Algés e a de Oeiras.

    Embora as tecnologias de informação sejam hoje em dia fundamentais para a clarificação da mensagem política - quer para o PSD quer para os outros partidos - estas tecnologias são encaradas de modo diferente, consoante as direcções das Secções estejam em sintonia ou de costas voltadas.

    Relato dois casos, diferentes entre si, o distrito de Santarém e o distrito de Lisboa.

    Todas as secções de Santarém estão integradas no website do PSD Distrital e com domínios personalizados, como é o caso de Almeirim. O serviço possibilita a publicação de notícias da distrital e da secção, a composição orgânica das mesmas, o que se passa no concelho e com os seus autarcas, além da informação do trabalho desenvolvido pelos deputados na A.R., contribuindo desta maneira para uma maior aproximação ao eleitor e/ou militante.

    Este projecto, utilizando as tecnologias de informação, contribuiu para a partilha de informação na esfera politico-partidária e é um brilhante exemplo do que se podia eventualmente fazer no distrito de Lisboa, onde cada secção têm hoje em dia - se tiverem um website - a gestão e alojamento de conteúdos online assegurada de forma autónoma da distrital.

    O website da Comissão Política Distrital de Lisboa já se encontra activo há algum tempo, transmitindo informações a nível distrital e mesmo local. E uma coisa foi-me bastante clara, a actividade militante e positiva para o PSD que a Distrital e as Secções empreenderam nos últimos tempos.


    Já temos online os websites de Cascais e de Oeiras se não houver outros mais. Não estão integrados a nível distrital. Isto quer dizer que as informações referentes ao distrito não são transmitidas automaticamente aos seus militantes. Porque não integrá-los junto com o website da Distrital de Lisboa, preservando o domínio original? Se estiverem de costas voltadas - e é o que aparenta ser neste caso - isto acabará por não ser possível.

    Comparando a actividade da Secção de Oeiras com as outras, o que é que se têm feito por cá em prol do PSD? Nada que seja relevante para o partido e militantes, só uma mera declaração de princípios em que a antiga/actual direcção aposta em esquecer o que se passou nos últimos tempos. O que contrasta em muito com as actividades realizadas pelo PSD/Secção Cascais!!!

    É tempo de mudar!

    IVG - Colóquio Nacional

    Interrupção Voluntária da Gravidez - Colóquio Nacional [12-01-2007]

    Luís Marques Mendes, Presidente do Partido Social Democrata, tem o prazer de convidar V/ Ex.ª, para um Colóquio Nacional sobre a Interrupção Voluntária da Gravidez, que terá lugar no próximo dia 20 de Janeiro, pelas 10h30, na Sala Almada Negreiros do Centro Cultural de Belém.

    PROGRAMA

    10h30 – Abertura pelo Dr. Luís Marques Mendes

    1.º Painel - «por opção da mulher nas 10 primeiras semanas»

    Dr. João Paulo Malta (Obstetra no Hospital Cuf Descobertas)
    Dr.ª Margarida Cabral (Advogada)
    Prof. Miguel Oliveira da Silva (Obstetra no Hospital Santa Maria)
    Dr.ª Margarida Neto (Psiquiatra)

    12h30 – Almoço (sala 4 – Vitorino Nemésio)

    14h30 – Reinício do Colóquio

    2.º Painel - «a despenalização»

    Prof.ª Maria Lúcia Amaral (Professora de Direito da UNL)
    Prof. Tiago Duarte (Professor de Direito da UNL)
    Dr. Rui Pereira (Professor de Direito da UNL e da Universidade Lusíada)
    Dr. Rogério Alves (Bastonário da Ordem dos Advogados)

    16h15 – Coffee Break
    16h30 – Reinício do Colóquio

    3.º Painel - «em estabelecimento de saúde legalmente autorizado»

    Dr.ª Maria de Belém Roseira (Jurista e Deputada)
    Prof. José Manuel Silva (Presidente do Conselho Regional do Centro da Ordem dos Médicos)^
    Prof. Manuel Pedro Magalhães (Director Clínico e Presidente da Comissão Executiva do Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa)

    17h45 – Encerramento pela Dr.ª Laurinda Alves

    Para participar no colóquio, contacte-nos via telefone (213918594) ou fax (213968743) ou email (secretariageral@psd.pt).

    Assista ao Colóquio em directo (www.psd.pt).

    in Site do PSD

    Fear Factory - Invisible Wounds

    Invisible Wounds - Daredevil

    2007-01-11

    Forças Conjuntas, uma realidade quando?

    De um lado temos as novas forças da GNR, os GIPS. Do outro temos os bombeiros, com corporações equipadas com helicópteros Bell-212. Depois temos a Marinha, o Exército e a Força Aérea, todos corpos de segurança altamente especializados. Ainda temos os helis Bell-412 do INEM para transporte ambulatório.

    Todos eles são agentes da Protecção Civil.

    Todos pertencem a classes diferentes, e quando chega a altura de operar hand-in-hand, o que é que lhes ocorre?

    - Quem é que mexeu no meu queijo???

    Quando houve o naufrágio de pescadores na Nazaré, a Marinha seguiu os procedimentos com os resultados que cada um de nós sabe. Quando houve um naufrágio no Cabo Vicente no dia a seguir, não seguiu os procedimentos. Contactaram o heli da Protecção Civil de Loulé para a prestação de auxílio. Salvou-se o náufrago.

    Porque é que se salvou? Simples, porque a Marinha lembrou-se que estava um meio aéreo em Loulé que podia chegar lá mais rapidamente. Em relação ao naufrágio da Nazaré, se tivesse tomado a decisão em menos de 5 minutos depois de receber o primeiro sinal de distress, 30 minutos depois, teríamos o helicóptero da Protecção Civil de Santa Comba Dão na zona de resgate. E provavelmente estariam hoje todos vivos.

    Quando a tragédia do Katrina tomou forma, houve uma mobilização geral dos meios aéreos do Exército e da Guarda Costeira Norte-Americana. Possivelmente estiverem presentes outros meios aéreos de outras forças militares ou paramilitarizadas.

    Realizaram 42000 salvamentos de pessoas naquele período. A sua operação conjunta foi possível devido aos métodos de treino semelhantes para o SAR - Search And Rescue - e a standardização de procedimentos, facilitando a gestão dos meios aéreos e a resposta rápida. Mas por incrível que pareça, não chegaram a utilizar todos os meios disponíveis. Houve meios aéreos colocados à disposição da agência americana responsável pela resposta às emergências, a FEMA. Contudo não foram chamados porque não havia nenhuma base de dados que recolhesse o seu estado operacional, os contactos, a posição actual e se tinham tripulação disponível. E isto foi nos E.U.A. .

    E se tivessemos uma catástrofe ambiental que nos obrigasse a proceder a evacuações de emergência de milhares de pessoas? Seríamos capazes de tomar as opções correctas?

    Este verão...

    ...cuidado se forem à pesca! Eles vão andar por aí!

    2007-01-10

    Desafio em Alto Mar

    Mau tempo durante a BT Global Challenge 2000

    Tornado em Alto Mar

    Regata Rolex Sydney Hobart 2006 - Nicorette

    E nós por cá...

    Ainda estamos a discutir o traçado da CRIL desde a década de 70.

    Coreia

    Um país que apostou no choque tecnológico, há uma dezena de anos atrás...

    Caxias

    O site da junta de freguesia ainda não foi completamente remodelado. Há ainda informações por actualizar.

    Quem entra no domínio http://www.jf-caxias.pt ainda têm que se deparar com a notícia de que o website está em manutenção. As novas tecnologias de informação não são o forte do novo executivo.

    A composição da assembleia da junta de freguesia é esta.
    O novo executivo da junta de freguesia é este.
    As opções do plano para a junta de freguesia estão acessíveis aqui.

    Embora as tecnologias de informação sejam periféricos à real missão de uma junta de freguesia, não devem ser ignorados.

    Já agora...

    Recupera-se este terreno, desflorestado pelas obras da cidade judiciária, ou não?

    Da natureza humana na política

    Há coisas que se vêem a saber com o tempo.

    Devo-vos dizer que o que se passa num partido têm muito pouco a haver com política. O partido é um meio para chegar a um certo fim, e quanto mais lucrativo ele fôr, melhor. Aqueles que enveredam, cedo ou tarde, dentro de um partido, por mais boas que sejam as suas intenções, descobrem que não há volta a dar e mais tarde ou mais cedo terão que se comprometer com os seus ideais e princípios para estar em cima e no topo.

    E agora?

    Eu provavelmente nunca chegarei a lado nenhum dentro do partido porque não sou capaz de abdicar dos meus. Têm a ver com os ensinamentos de ética e moral militar que aprendi e ainda transmito a alunos e colegas meus. Há coisas que não se aprendem na vida civil, e ter espírito de sacrifício e liderança são algumas delas.

    O preço a pagar é de facto elevado. A vontade de querer contribuir com o aumento de transparência e equipariedade dentro de um partido é completamente anulada quando se toma conhecimento de que pessoas, militantes dentro do mesmo partido e que supostamente defendem a democracia e respeito pela liberdade de expressão, tomam atitudes pouco éticas e imorais, contribuindo para o aprofundar da fractura nas instituições que deviam governar.

    Não há mandamentos para este tipo de pessoas. Fazem o que querem, quando querem, desde que se possam safar ou ter cobertura interna - leia-se votos - dentro de um partido. A impunidade reina. Claro, têm que reinar até que o céu caia em cima das nossas cabeças e tenhamos que passar por um processo de contemplação e recuperação.

    Olá! Tás muito apetitoso...

    E o que mais me chateia é que este tipo de pessoas continuam a valer os tais votos e a manter, como tal, influência e capacidade de decisão partidária. Nunca há um reset completo da máquina partidária. Caras novas não abundam ou se aparecem, são claramente assimiladas pelos grupos dominantes. Poder ter obra feita, mesmo que tenha tido um arranque inglório dentro do partido como Rui Rio o teve, e se quiser ir mais longe, ter que aturar alfinetadas de pessoas que dizem que "tu vê lá, se fores capaz de aguentares o barco mais um mandato, vais ter o partido aos teus pés. Mas para lá chegares, têns que ter muito cuidadinho com quem vais almoçar" é-me intolerável.

    Não há almoços grátis na política. Nunca os houve e pensar que um dia a boa-vontade e a justiça reinará na governação dos nossos filhos e netos é pura utopia.

    2007-01-09

    Ainda se queixam de lhes amandarem pedras...

    Vias Rápidas em Bangkog

    À noite, numa das cidades mais movimentadas do mundo.

    A dependência do crude

    Foi você que pediu uma refinaria?

    Isto vai piorar. O preço do barril de petróleo já aumentou. Os impostos petrolíferos também. Só falta as empresas do ramo acertarem o passo...

    2007-01-08

    O papel das PME

    Innovative SMEs are the backbone of the private sector and have a significant role to play in economic development in general. They share a number of characteristics that make them attractive for targeting innovation projects. They are able to react quickly and efficiently to market changes.

    Studies of small firms confirm that they can function as a
    powerful engine for economic growth and performance. However, because the sector is extremely heterogeneous, volatile, and differs greatly in developed and developing economies, actions must be targeted efficiently.

    SMEs need to be effectively connected with global markets, to find buyers for their products and suppliers for their inputs. This requires
    developing skills, technology, information and research, all of which can benefit from partnerships, be they amongst SMEs themselves or between SMEs and large enterprises.

    Innovation can act as a bridge to these kinds of projects. In developing economies, SMEs often offer the only realistic prospects for
    employment increase and adding value. In short, SMEs can contribute to sustainability for the following reasons:

  • SMEs tend to lead to a more equitable distribution of income than larger enterprises. In addition, they are less concentrated in urban areas than the larger companies and thus create employment in rural areas;

  • SMEs contribute to a more efficient allocation of resources in developing economies. They often adopt labour intensive production methods and thus reflect the resource endowment in developing economies where labour is plentiful and capital is scarce;

  • SMEs support the building of productive capacities. They help to absorb productive resources at all levels of the economy and contribute to the establishment of dynamic and resilient economic systems in which small and large firms are interlinked.

  • SMEs in developing economies suffer from problems such as the lack of: capital, access to markets, finance, qualified personnel, training, and technological and marketing capabilities. Due to
    globalization, liberalization of markets, rapid advances in information, communication and production technologies, the new production dynamics have created stiff competition. Local SMEs face the competition of international competitors entering into local markets.

    in UNEP


    Em Portugal, lutar pelas PME significa fortalecer 99 por cento das empresas, 75 por cento do emprego e 60 por cento do volume de negócios nacional...

    Quando os governos europeus perceberam que a competitividade das respectivas economias passava pela diminuição significativa da fiscalidade sobre os contribuintes, em particular as empresas, o governo português é o único na Europa a insistir numa posição altamente conservadora, não seguindo a tendência geral UE.

    in Mário Azevedo, CTOC

    Ano do Golfinho

    2007 vai ser o ano do golfinho.

    Esta iniciativa pertence a uma campanha mundial com vista a diminuir a perda de vida selvagem até 2010, um objectivo acordado por todos os governos nas Nações Unidas. Está inserida no projecto Década de Educação para o Desenvolvimento Sustentável (2005-2014).

    Para a Jota aprender a fazer contas...

    A Comissão Politica Distrital da JSD de Évora promove no próximo sábado, 13 de Janeiro uma conferência sobre as “Finanças Portuguesas e o Orçamento de Estado para 2007”.

    Esta realizar-se-á na Universidade de Évora pelas 16H00m e terá como orador principal o Dr. Miguel Frasquilho, economista e deputado à Assembleia da Republica.

    Contamos com a tua presença!
    in site da JSD.

    Recomenda-se, o tipo é bom, é afilhado do Divino, já foi Secretário de Estado do Tesouro e sabe do que fala, além de ser deputado na legislatura corrente.

    2007-01-07

    The Book of the Way

    A journey of a thousand miles begins with a single step.

    He who knows does not speak, He who speaks does not know.
    He who knows others is wise, He who know himself is enlightened.

    The softest things in the world overcome the hardest things in the world.
    Through this I know the advantage of taking no action.


    Lao-tzu, filósofo chinês, 604-531 AC .

    Música instrumental zítara chinesa.

    Reminiscentia 2.0

    Surpreendentemente, a Web 2.0 é uma reminiscência das ideias de Marx, pura utopia, onde damos forma escrita aos nossos sonhos. Onde a cultura é personalizada, onde definimos o nosso espaço, contactos, ideias, memória.

    Whereas in communist society, where nobody has one exclusive sphere of activity but each can become accomplished in any branch he wishes, society regulates the general production and thus makes it possible for me to do one thing today and another tomorrow, to hunt in the morning, fish in the afternoon, rear cattle in the evening, criticise after dinner, just as I have a mind, without ever becoming hunter, fisherman, shepherd or critic.
    Marx, German Ideology.

    Quando este radicalismo utópico se funde com a tecnologia do séc.21, qual será o resultado? Uma ideologia assente no culto da realização individual, onde sermos - ricos, famosos, presentes - é mais importante que estarmos - felizes, inseridos, unidos - com os que nos rodeiam.

    Ideologicamente, a Web 2.0 democratiza o acesso à informação. Torna-nos autores do conteúdo. Facilita a utilização da tecnologia. Mas também abre-nos a porta para um mundo fundamentalista, radical, primário. Por vezes não gostamos do que vemos por ser contra os nossos hábitos e costumes civilizacionais. Estes episódios seduzem, maltratam, criam e destroem relações. Ficam na memória como uma leve recordação.

    Uma reminiscência do que aconteceu.

    Seremos nós o proletariado e as empresas de Media a burguesia do séc.19? Ou seremos capazes de mudar o futuro?

    Continua ...


    Quando estar perto se torna demasiado perto

    Mais um post inútil...

    Miami Vice 2006

    Filme aconselhável para o pessoal que gosta de jogar nos dois lados, como a Maria de Belém pela sua recente avença como consultora do Grupo Espírito Santo para a nova unidade hospitalar sénior em Benfica, exercendo simultâneamente cargo de deputada com assento na comissão parlamentar para os assuntos de saúde.

    Mal posso esperar por 2009 para a ver ser corrida das listas do PS às legislativas. Ou não...

    2007-01-06

    Na desbunda...

    Também tenho direito a pôr uns quantos posts inúteis, não?

    Hoje foi um dia para esquecer.

    Cruzei-me hoje pelas 12:58 com a Maria de Belém, esta a caminho de casa, e que me ultrapassou pela direita com o seu carro oficial do Parlamento - para quem não sabe é um Mercedes E 220CDI cinzento 12-BT-28.


    A deputada, pautando como sempre um comportamento irrepreensível e servindo de exemplo a toda a Nação, passa o cruzamento da Portela, vindo do RALIS em direcção a Sacavém e seguindo em frente numa faixa destinada a virar à direita para a urbanização da Portela, passando dessa maneira à frente de mais 5 condutores incluindo eu, à espera diligentemente para que o semáforo ficasse verde. Dassssse... sou um grande otário, para a próxima faço o mesmo!

    Ficam aqui os votos de que...

    ...lhe aconteça o mesmo, c´um catano! Já não há respeito!

    Com governantes como estes a darem o exemplo, os restantes condutores portugueses estão de parabéns, e o Carlos Sousa em especial, pela vitória da 1º etapa Lisboa -Dakar!

    2007-01-05

    Autoridade Nacional de Protecção Civil

    A reformulação da actual Protecção Civil, com vista a integrar um comando único, reflectindo o SIOPS - sistema integrado de operações de protecção e socorro - já prevista no PRACE, vai levar a uma profunda reestruturação do actual sistema, abrangendo os vários agentes da Protecção Civil - Forças Armadas, Bombeiros, INEM, GNR, Polícia Marítima, ICN, etc.

    Não é por mero acaso que refiro isto. Há cerca de 1 semana houve um acidente trágico, a pouca distância da costa, sob o olhar dos populares, que revoltou os portugueses. O facto de os meios de socorro terem falhado naquelas circunstâncias mostra a débil articulação dos vários agentes com responsabilidades na matéria.

    Além de uma reformulação orgânica, com vista a aumentar a estrutura de protecção à sociedade civil, teremos novos meios aéreos e outros meios operacionais previstos no conjunto de diplomas aprovados no Conselho de Ministros de 29 de Outubro de 2006.

    Recentemente foi desencadeado um novo concurso com vista a contratação para o MAI de pessoal técnico com vista a desempenhar funções de pilotagem e manutenção técnica dos novos meios aéreos, que serão:

  • 2 Beriev B-200
  • 6 Kamov KA-32
  • 4 Aeroespatiale Ecureuil AS350B3

  • O Beriev esteve em testes durante o verão de 2006, e o relatório é favorável à sua operação em Portugal, embora haja restrições no scoping - captação de água durante a amaragem - devido aos locais de abastecimento de água. Com efeito, irá apresentar novos desafios ao planeamento operacional, sendo necessário uma boa articulação com o terreno quer no combate aos incêndios quer na operação de scoping de modo a evitar acidentes por desconhecimento do relevo no terreno, baixa cota de água ou algum desportista náutico que se aventure na área restrita.

    Beriev em start-up.

    Beriev em operação.

    A utilização de helicópteros ligeiros performantes como o Ecureuil para operações mais sensíveis e rápidas ou o helicóptero médio Kamov para operações de combate a incêndios será uma excelente mais-valia ao dispositivo habitualmente empregue, anualmente. Além deste reforço, com tripulações e dispositivos empregues para todo o ano, continuaremos a ter os dispositivos aéreos alugados, com base anual ou plurianual.



    Os exemplos referidos têm um link associado ao qual se podem verificar quais as operações que estes aparelhos estão certificados e habilitados a fazer, neste caso a operar na Suiça. Realço as capacidades de Salvamento e Combate a Incêndios.

    Serão estes aparelhos, alguns deles equipados com guincho de salvamento, que estarão disponíveis em Maio, e que poderão vir a ser utilizados se o sistema de operações assim o entender, em casos como o da Nazaré. O curso de formação do pessoal arranca já em Fevereiro.

    Deve ser referido que só neste último ano em 2006 se teve a coragem de realizar um estudo que relacionasse o emprego dos meios aéreos e a sua relativa eficácia no combate aos incêndios. Os meios aéreos têm sido utilizados anualmente e é lamentável que até agora nunca se tenham realizado peritagens técnicas que mostrassem o valor real do seu emprego. Podemos imaginar o desperdício e ineficácia que têm sido na articulação e emprego destes meios em anos anteriores.

    Como referido nesta notícia de Junho de 2005, já durante o governo de Durão Barroso e depois no de Santana Lopes que se equacionava a aquisição destes meios, sob proposta da Rússia, interessada em liquidar a sua dívida.

    Só que devido à política de contenção do défice na altura, essa proposta foi rejeitada, apostando o governo PSD/PP em continuar a sua política de outsourcing para a prestação de serviços de socorro e protecção civil - o que é um erro já que a gestão dos meios acaba por se revelar ineficaz, as empresas contratadas tendem a usar o maior número possível de horas de vôo sem olhar aos resultados.

    A maior parte dos países europeus decidiu investir numa frota aérea para a protecção civil, adoptando um serviço misto no combate florestal. E é este modelo que defendo.

    Com a nova ANPC, seguramente teremos ganhos na protecção da floresta, vidas humanas e sociedade em geral. Porque se tomou a decisão política de querer ter um sistema eficaz e eficiente. E é assim que devia ser.

    Doa a quem doer...